Caderno de Campo

Archive for the ‘a vida em geral’ Category

Aqui neste cantinho em que ninguém me ouve. ou quase ninguém lê:
Já não posso com a Merkel! Mas não é com ela, é com o alarido. A gritaria é tanta, céus! Relativizem, pessoas!! Parece que o próprio hitler voltou das profundezas e veio visitar o condado. Quando vem cá a Troika não fazemos nada, o Durão Barroso passa com uns apupos, e de repente toda a energia e ódio saltam cá para fora em modo hiperbólico… please!
Já com a cena da Jonet foi a mesma merda: agora a mulher é o diabo na terra, mas o que é que ela disse que nós não soubéssemos que é o que ela pensa? E não disse nada que não tivessemos já ouvido de muitas outras bocas da direita. Agora por causa disso vão deixar de contribuir para o banco alimentar, a sério pá?
É melhor não começar a falar da greve geral… juntamente com o post ali em baixo sobre o faduncho, ainda correm comigo da esquerda.

 

 

Anúncios

e das mais bonitas

tradução livre * dizem que uma pessoa morre duas vezes: uma, quando deixamos de respirar e uma segunda vez, mais à frente, quando alguém diz o nosso nome pela última vez.

clicar para ver melhor:

“Há um tempo em que é preciso
abandonar as roupas usadas,
que já tem a forma do nosso corpo,
e esquecer os nossos caminhos,
que nos levam sempre
aos mesmos lugares.
É o tempo da travessia:
e, se não ousarmos fazê-la,
teremos ficado, para sempre,
à margem de nós mesmos.”

 

 

Enquanto não me atiro a isto mais seriamente, vou continuar a trabalhar no projecto do café.


as penúltimas